51 3713 8100

Atraso nos repasses não diminuiu a qualidade na saúde em 2017 Última atualização em, 15 de dezembro de 2017

Dando continuidade a série de entrevistas de final de ano, a Rádio Gazeta AM 1180 recebeu em seu estúdio, na manhã desta sexta-feira, dia 15, a secretária municipal de Saúde, Renice Vaccari. Durante cerca de 50 minutos ela teceu um panorama do setor e elencou os principais pontos a serem trabalhados no decorrer do próximo ano.

 

Questionada sobre as dificuldades financeiras enfrentadas pelo município, em virtude do atraso nos repasses do Governo do Estado, Renice disse que o grande desafio este ano foi trabalhar para manter a qualidade do serviço prestado. Segundo ela, o atraso nos recursos em 2017 ficou no mesmo patamar do ano anterior e o volume gira em torno de R$ 5 milhões, sendo a maior parte para programas como Estratégia de Saúde da Família e saúde mental e uma parte para os hospitais. 

 

Até o mês de outubro o percentual de investimento do Município na área da saúde estava em 22,3%, mas será superior até o final de dezembro. “Enquanto o Estado não negociar a dívida com o governo federal ele não consegue normalizar os repasses, então a gente já trabalha contando com este atraso”, afirmou.

 

Com relação a mudança de horário no Hospitalzinho, que à época foi alvo de polêmica, a secretária informou que seguirá como está, uma vez que a demanda na região sul vem sendo atendida também pela Unidade de Pronto Atendimento (UPA), no Bairro Esmeralda. “Inclusive, a UPA está aumentando o atendimento diário pelo bom serviço que presta. Não temos queixas”, destacou.

 

Uma preocupação do setor hoje é com a interrupção da distribuição de remédios, fornecidos pelo SUS nos postos de saúde. Com o serviço restrito às duas farmácias – central e distrital -, a população vêm enfrentando enormes dificuldades para ter em mãos os medicamentos de que necessita. A Prefeitura já ingressou na Justiça para reverter a determinação do Conselho Regional de Farmácias e está recorrendo, inclusive, da aplicação de multas. “A gente entende que o conselho preza para conseguir trabalho para os profissionais, mas toda uma população foi sacrificada, principalmente no interior”, observou.

 

Outro assunto abordado durante a entrevista esta manhã foi a febre amarela. A secretária  informou que no mês de janeiro a vacina – em dose única - será incorporada ao calendário de rotina do Estado. Até o momento nenhum caso foi confirmado no município e a situação, segundo ela, é de tranquilidade. No primeiro semestre deste ano equipes da saúde fizeram visitar domiciliares no interior do município, em busca de quem ainda não havia tomado a vacina. “Estamos com uma boa cobertura, não há motivo de preocupação por parte da secretaria”, frisou.

 

Sobre uma das maiores polêmicas do ano na área da Saúde, o excesso de cartões SUS, muito acima do contingente populacional do município, Renice disse que a preocupação é grande e pede aos ouvintes que denunciem caso saibam de pessoas que tentam fraudar o sistema, fazendo-se passar por moradores de Santa Cruz do Sul. Por dia uma média de 100 pessoas procura o atendimento para confecção do cartão. 

 

Atualmente existem 150 mil cartões ativos para uma população estimada em 128 mil habitantes. “Ouvintes que souberem de gente que não reside em Santa Cruz denuncie na secretaria ou na ouvidoria porque temos recursos federais e estaduais baseados em população e esses recursos não aumentam tão rápido assim, são baseados em censos antigos”, explicou. “Daqui a pouco falta atendimento para quem precisa. Não temos pessoal suficiente para a realização de visitas domiciliares”.

 

Perspectivas – No planejamento para 2018 está a construção de uma nova Unidade Básica de Saúde (UBS), a possibilidade de implantação de mais quatro equipes de Estratégia de Saúde da Família (ESF), a inscrição junto ao Ministério da Saúde para instalação de um Centro de Especialidades Odontológicas, a reestruturação da UMREST, a busca de verbas para a Rede Cegonha, beneficiando a UTI do Hospital Santa Cruz e o aumento de recursos para a oncologia.

Compartilhe:
Prefeitura de Santa Cruz Suporte Técnico:
suporte@santacruz.rs.gov.br
Desenvolvido por DROP